Royal Destiny por Thayná Campos

Paisagens Noturnas por Elaine Paiva
junho 11, 2020
Paisagens Noturnas por Luiz Eduardo Matta
junho 11, 2020

Romance policial que narra duas histórias de forma paralela e quase independente. Alyrio Cobra é um investigador profissional que se depara com uma mulher fascinante num cruzeiro saído de Veneza. A mulher, Clarisse, confessa um assassinato e mantém o investigador preso à sua narrativa. Por outro lado, no Brasil, George, amigo de Alyrio, dedica-se a uma investigação sobre um esqueleto encontrado na região de Guarapiranga, em São Paulo.

A narrativa do livro é de excelente qualidade. A forma como a autora consegue narrar duas histórias simultaneamente e não se perder nos enredos só faz com que a atenção do leitor seja mais cativada a cada página. Ter duas histórias sendo contadas traz ainda mais suspense, curiosidade e voracidade pelo livro. O texto de Vera Carvalho, apesar de ainda precisar de revisão, é leve e envolvente. A simplicidade da escrita confere leveza ao texto e dá uma fluidez muito interessante à narrativa. Royal Destiny é um livro que não dá para largar. De tão prazerosa, a leitura acaba sendo rápida.

São poucos os personagens envolvidos em toda a trama de Royal Destiny, mas eles são tipos intrigantes. Alyrio Cobra, o personagem principal, é um detetive tentando se recuperar de um trauma. Seu background é apresentado e dá força ao protagonista, mas suas dores não são expostas a ponto de deixar a história pesada, repetitiva ou forçada. Clarisse, a mulher com quem Alyrio se encontra no navio, é fascinante. George, advogado, também é um homem cheio de feridas reavivadas pela investigação, mas se mostra um personagem maduro. Leilah, Otacília e Marcelo, três tipos que compõem o restante da narrativa, não são passíveis de tanta simpatia e identificação como os outros. São personagens um pouco sem sal que poderiam ter sido mais bem trabalhados para deixar a história mais interessante.

royal destiny
Capa do livro. Foto: divulgação
Considerando-se isto, fica fácil explicar o porquê de uma parte da história ser tão boa e a outra não ter o mesmo nível. O enredo de Clarisse confessando um assassinato a Alyrio e contando sua vida amorosa é espetacular. Os dois personagens têm uma sintonia perfeita e se encaixam muito bem. A narrativa prende o leitor até o último segundo e deixa a vontade de acompanhar os dois por muito mais tempo. Por outro lado, a história que se passa no Brasil não é tão envolvente. George é um homem interessante, mas os outros personagens que compõem o cenário não provocam empatia. Além disso, o mistério parece resolvido de forma um pouco forçada. Um segredo é guardado por anos dentro de uma família e é revelado quando um simples estranho pergunta… Isso incomoda um leitor que com certeza esperava mais da história, dada a qualidade narrativa apresentada em toda a obra.

O desfecho da história de Alyrio e Clarisse é muito bem construído e verossímil. É um final merecido, digno do que foi construído durante o enredo dos dois. A conclusão para o mistério de Leilah, Otacília, Marcelo e George ganha um plot twist que realmente recupera as partes óbvias da história e salva o enredo dos quatro, já que a autora não conseguiu segurar até o fim a primeira reviravolta da história, fazendo com que o leitor pudesse supor o que estava por vir. Vera Carvalho deu às suas histórias desfechos dignos.

Royal Destiny é um livro de muita qualidade. A simplicidade da escrita e das histórias dá a sensação de que Agatha Christie pode ter sido uma grande inspiração da autora. O estilo sem muitos floreios, com personagens rápidos e narração linear e clara reforça essa ideia. A obra de Vera Carvalho vale cada segundo e deixa o desejo de ler mais de seus escritos. Alyrio Cobra e Clarisse merecem ter suas histórias continuadas. E é muito difícil que alguém que tenha lido Royal Destiny não queira continuar acompanhando esses dois.

Leia na íntegra